Prêmio Operário: Ator Convidado (Comédia)

Matt Damon – 30 Rock

Dentre todas as escolhas para o substituto de Michael Scott, James Spader apresentou o personagem mais interessante, graças a sua atuação e roteiro, mas o principal é que Spader realmente conseguiria carregar uma série como The Office. Eddie Izzard em United States of Tara mostrou que tinha muito a acrescentar à série. Will Arnett mais uma vez teve uma participação impecável em 30 Rock.

Matt Damon conseguiu fazer comédia e participar dos melhores arcos de 30 Rock, principalmente em seu auge em Double-Edged Sword. Jim Rash teve as melhores falas e fantasias em Community. Ricky Gervais pegou o personagem mais irritante de Louie e mesmo assim conseguiu se destacar na simplicidade.

Indicados:

Matt Damon (30 Rock)
James Spader (The Office)
Will Arnett (30 Rock)
Jim Rash (Community)
Ricky Gervais (Louie)
Eddie Izzard (United States of Tara)

Vencedores Anteriores: 2009 – Brian Sergant (Flight of the Conchords), 2010 – Michael Sheen (30 Rock)

Prêmio Operário: Atriz Convidada (Comédia)

Gwyneth Paltrow – Glee

Por pior que seja essa temporada, Glee sabe como escolher seus atores convidados, e dessa vez não foi diferente. Gwyneth Paltrow pegou o pouco que o roteiro tinha para oferecer e tirou o possível para se destacar nesse meio de mediocridade. Amy Ryan por outro lado, tinha um material incrível em mãos e só uma atriz como ela para conseguir dar mais brilho à um roteiro incrível como o do arco final dessa temporada de The Office. Sherri Sheperd teve um dos episódios mais engraçados em 30 Rock, aonde toda a graça do roteiro dependia de sua atuação.

Cynthia Nixon conseguiu o destaque merecido em The Big C, sendo mais dramática que engraçada, mas não sou eu que faço as regras. Parker Posey foi perfeita como o nêmesis de Leslie em Parks & Recreation. E por fim, Gabourey Sidibe já mostrou que tem talento em Precious, porém lá o filme duvidoso dava indícios que a atriz só conseguiria interpretar aquele tipo de personagem, mas em The Big C ela demonstrou que sabe fazer comédia e ainda ser bitch, saindo da concha de coitadinha.

Indicadas:

Gwyneth Paltrow (Glee)
Amy Ryan (The Office)
Sherri Sheperd (30 Rock)
Cynthia Nixon (The Big C)
Parker Posey (Parks & Recreation)
Gabourey Sidibe (The Big C)

Vencedoras anteriores: 2009 – Amy Ryan (The Office); Kristin Chenoweth (Glee).

Prêmio Operário: Roteiro (Comédia)

“Fancy Party” – Parks & Recreation (Escrito por: Katie Dippold)

Garage Sale foi o episódio que realmente levou o arco da saída de Michael Scott ao nível mais emocional possível. Jon Vitti conseguiu balancear da melhor maneira possível as risadas e o choro, principalmente ao envolver um dos momentos mais emocionantes das temporadas passadas: o pedido de casamento entre Jim e Pam. E dessa vez não podia ser diferente, principalmente ao envolver o personagem mais importante da série e a atriz convidada que mais se saiu bem nesses últimos anos.

“Michael: Holly Flax… marrying me will you be?
Holly: Your wife becoming me will.”

A 3ª temporada de Parks & Recreation conseguiu maximizar o nível de seus roteiros, levando histórias por vários episódios, além de conseguir desenvolver relações entre os personagens aos poucos. Em Fancy Party, Katie Dippold transforma uma festa de casamento em uma sucessão de situações hilárias e desenvolvidas especialmente para o futuro da série. Ann solteira, Ben e Leslie, a rotina de disputa entre Chris e Ron, e principalmente o modo como Leslie avalia tudo ao seu redor, aqui comprimido no casamento de April e Andy.

“Donna: Are you Nell? From the movie Nell?”

Critical Film Studies, de Community, talvez seja o auge das referências pops da série. Juntando um dos filmes mais parodiados e cultuados da década de 90, com um desconhecido para moldar um personagem foi uma jogada audaciosa que deu certo. Além do jogo de citações com Cougar Town, um dos maiores acertos da sua série, em uma escala menor.

“Abed: What could I do? Its was Cougar Town.
Jeff: If you want me to take it seriously, stop saying its name”.

Cougar Town cresceu em um nível absurdo. Ninguém esperaria que uma série com esse nome e com a premissa inicial poderia se transformar em uma das melhores comédias da atualidade. Não há truques, nem um absurdo de referências, apenas a interação do elenco sensacional. Porém, Ryan Koh e Sam Laybourne pegaram tudo o que estava acontecendo até aquele momento e resolveram as situações em um único episódio (Lost Chillren), dando brechas para o incrível fim de temporada. Nada melhor do que um jogo de esconde-esconde entre adultos para resolver suas disputas infantis.

“Ellie: I got your boy.
Jules: Give me back my son.
Travis: Mom, I’m scared”.

Apesar de problemas durante o início e meio de temporadas, Jenji Kohan sempre soube fechar seus arcos de temporadas em Weeds, e com Theoretical Love Is Not Dead não foi diferente. A situação mais extrema que Nancy se envolveu, seu último ato como heroína e toxina para sua família. O modo como os minutos pareciam estar contando e tudo acontecendo praticamente em tempo real, deu credibilidade à todo o drama que cercou esse episódio.

“Nancy: How ‘bout a farewell fuck?”.

Raising Hope foi a comédia nova mais bem sucedida dessa temporada. E com isso veio uma repetição de ótimos roteiros, principalmente em Say Cheese onde Greg Garcia usa a ferramenta de contar uma história para um personagem, com base em algum objeto, nesse caso o álbum de fotos, e transforma os flashbacks em personagens e não em muletas narrativas.

“Sabrina: Your house has a lot of cool stuff in it. Who plays the piano?
Jimmy: Pretty much anybody who is trying to get on somebody’s nerves.”

_________________________________________________________

Vencedores Anteriores: 2009 – “Prime Minister” (Flight of the Conchords), 2010 – “Contemporary American Poultry” (Community).

Prêmio Operário: Edição

Southland (“Code 4” – por Miklos Wright)

Talvez a montagem mais conhecida de séries seja a condução de histórias paralelas, porém, nesse episódio, Miklos leva tudo para um novo nível ao se concentrar em cortes limpos para as imagens mais sujas, com excessão do início e fim do episódio, aonde uma cena se repete, porém uma vindo do nada (começo do episódio) e a outra vindo de uma sucessão de tensão. Southland talvez seja a série policial mais tecnicamente perfeita da atualidade. Segunda vez que vence essa categoria.

Outros Indicados:

Game of Thrones (“Baelor”)
Game of Thrones (“You Win or You Die”)
Mad Men (“The Suitcase”)
Community (“Advanced Dungeon & Dragons”)
Justified (“Brother’s Keep”)

Vencedores Anteriores: 2009 – Southland (“Westside”), 2010 – Breaking Bad (“One Minute”).

Prêmio Operário: Revelação

Esse prêmio não é apenas para os atores que estão fazendo sua primeira série, mas sim para todos que tiveram um progesso na carreira, finalmente sendo reconhecidos.

Kaitlyn Dever (“Justified”)

Ela fez parte do grande arco da temporada, e tudo estaria perdido se uma atriz certa não fizesse justiça ao incrível roteiro. E ela foi a atriz certa. Disputou a atenção com Margo Martindale, Timothy Olyphant e Jeremy Davies, e quase sempre conseguia se sobressair.

Outros Indicados:

Emilia Clarke (“Game of Thrones”)
Jeremy Allen White (“Shameless”)
Maisie Williams (“Game of Thrones”)
Emma Kenney (“Shameless”)
Lucas Neff (“Raising Hope”)

Vencedores Anteriores – 2009 – Jill Scott (The nº 1 Ladies’ Detective Agency), 2010 – Danny Pudi (Community).

Prêmio Operário: Direção (Comédia)

Weeds – “Theoretical Love Is Not Dead” – Dir. Scott Ellis

A sobriedade que Scott Ellis usa nesse episódio é o motivo principal para tudo der dado certo. Ele soube como focar apenas nos acontecimentos que movimentariam a trama, principalmente para um fim de temporada, além de ser uma das primeiras vezes, na série, que tudo pareceu em tempo real. 30 minutos de urgência.

Outros Indicados:

Community – “A Fistful of Paintballs” – Dir. Joe Russo
The Office – “The Search” – Dir. Michael Spiller
The Office – “Threat Level Midnight” – Dir. Tucker Gates
Raising Hope – “Mongooses” – Dir. Eyal Gordin
30 Rock – “Live Show” – Dir. Beth McCarthy-Miller

Vencedores Anteriores: 2009 – The Office (“Stress Relief”), 2010 – Community (“Modern Warfare”).

PRÊMIO OPERÁRIO: SÉRIE REVELAÇÃO

Raising Hope (Fox)

É difícil uma comédia, hoje em dia, manter a regularidade com uma premissa dessas. Todo a história familiar e as pessoas ao redor, só Arrested Development conseguiu isso, e agora parece que Raising Hope vai seguir a mesma linha.

Outros Indicados:

Game of Thrones (HBO)
Shameless (Showtime)
Louie (FX)
Terriers (FX)
Sherlock (BBC)

Vencedores anteriores: 2009 – True Blood (HBO), 2010 – Community (NBC).

Filmes do Oscar: Bravura Indômita

Depois da poeira tomar conta do blog, e da minha vontade finalmente aparecer. Resolvi voltar. Mas com nada tão apurado, apenas uma série de posts com um breve comentário sobre cada um dos 10 indicados a melhor filme.

Bravura Indômita é uma adaptação do livro homônino de Charles Portis, apesar de muitos considerarem um remake do filme feito em 1969 com John Wayne (que lhe rendeu Oscar de Melhor Ator). Aqui os Coen mais uma vez entram no mundo do western, e conseguem manter a fidelidade de muitas obras consagradas, como Os Imperdoáveis e McCabe & Mrs. Miller. Todos os diálogos envolvendo a protagonista  (Hailee Steinfeld, ótima) no começo do filme, já é a marca consagrada dos filmes dos irmãos, que conseguiram balancear diálogo espertinho e ação da maneira correta. No mais, Jeff Bridges está sensacional como o federal bêbado, assim como Matt Damon e seu LaBouef, um Ranger que preza pelo lado correto do serviço. Cotação: A-

Prêmio Operário: Ator Coadjuvante (Comédia)

Nick Offerman (Parks & Recreation)

Junto com Amy Poehler, Offerman se tornou um dos principais motivos para continuar com a série e também uma das principais razões pelo aumento de qualidade.

Outros Indicados:

John Krasinski (The Office)
Justin Kirk (Weeds)
Ty Burrell (Modern Family)
Neil Patrick Harris (How I Met Your Mother)
Danny Pudi (Community)

Vencedores Anteriores: 2008 – Kevin Dillon (Entourage), 2009 – Rhys Darby (Flight of the Conchords)

Roteiro Drama

“The Gypsy and the Hobo” – Mad Men (Escrito por: Marti Noxon, Cathryn Humphris & Matthew Weiner)

O tão esperado “Whitecaps” de Mad Men não poderia ter sido diferente. Uma abordagem mais sutil do que o episódio da série dos mafiosos, porém tão bem escrita quanto.

“Don: I can explain.
Betty: I know you can. You’re a gifted storyteller.”

Outros Indicados:

Guy Walks into an Advertising Agency (Mad Men)
I Will Rise Up (True Blood)
Shut the Door. Have a Seat (Mad Men)
One Minute (Breaking Bad)
Full Measure (Breaking Bad)

Vencedores Anteriores: 2008 – 5-G (Mad Men), 2009 – Peekaboo (Breaking Bad)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.