Arquivos do Blog

Prêmio Operário: Edição

Southland (“Code 4” – por Miklos Wright)

Talvez a montagem mais conhecida de séries seja a condução de histórias paralelas, porém, nesse episódio, Miklos leva tudo para um novo nível ao se concentrar em cortes limpos para as imagens mais sujas, com excessão do início e fim do episódio, aonde uma cena se repete, porém uma vindo do nada (começo do episódio) e a outra vindo de uma sucessão de tensão. Southland talvez seja a série policial mais tecnicamente perfeita da atualidade. Segunda vez que vence essa categoria.

Outros Indicados:

Game of Thrones (“Baelor”)
Game of Thrones (“You Win or You Die”)
Mad Men (“The Suitcase”)
Community (“Advanced Dungeon & Dragons”)
Justified (“Brother’s Keep”)

Vencedores Anteriores: 2009 – Southland (“Westside”), 2010 – Breaking Bad (“One Minute”).

Anúncios

Roteiro Drama

“The Gypsy and the Hobo” – Mad Men (Escrito por: Marti Noxon, Cathryn Humphris & Matthew Weiner)

O tão esperado “Whitecaps” de Mad Men não poderia ter sido diferente. Uma abordagem mais sutil do que o episódio da série dos mafiosos, porém tão bem escrita quanto.

“Don: I can explain.
Betty: I know you can. You’re a gifted storyteller.”

Outros Indicados:

Guy Walks into an Advertising Agency (Mad Men)
I Will Rise Up (True Blood)
Shut the Door. Have a Seat (Mad Men)
One Minute (Breaking Bad)
Full Measure (Breaking Bad)

Vencedores Anteriores: 2008 – 5-G (Mad Men), 2009 – Peekaboo (Breaking Bad)

Prêmio Operário: Direção (Drama)

Mad Men – “Guy Walks Into An Advertising Agency” (Dir.: Lesli Linka Gallter)

Lesli Linka Glatter conseguiu montar uma sequencia de cenas incríveis nesse episódio, desde a escolha correta de carregar o melodrama com o evento bizarro no escritório, até a exposição contida nos rostos dos atores em momentos de maior fragilidade.

Outros Indicados:

True Blood (“Timebomb”)
Breaking Bad (“One Minute”)
Lie to Me (“Grievous Bodily Harm”)
Grey’s Anatomy (“I Saw What I Saw”)
Lost (“The End”)

Vencedores Anteriores: 2008 – Breaking Bad (“Pilot”), 2009 – The No 1 Ladies’ Detective Agency (“Pilot”)

Prêmio Operário: Atriz Drama

ATRIZ DRAMA:

maJanuary Jones em “Mad Men”

Talvez a escolha mais óbvia de todas as categorias, principalmente para quem conhece meu gosto e também por causa do banner do blog, mas não poderia ser diferente.
A segunda temporada de Mad Men foi extremamente focada no grupo feminino de personagens, porém, Betty, a personagem de January Jones, foi a que mais cresceu e se impôs durante a maioria dos episódios, indo de casos mais sutis como o primeiro episódio da temporada até chegar a uma força a ser reconhecida em episódios como “A Night to Remember” e “Six Month Leave”.

Outras Indicadas:

Kyra Sedgwick (The Closer)
Jill Scott (The No 1 Ladies’ Detective Agency)
Holly Hunter (Saving Grace)
Connie Britton (Friday Night Lights)
Anna Paquin (True Blood)

Vencedoras Anteriores: 2007 – Mary McDonnell (Battlestar Galactica), 2008 – Kyra Sedgwick (The Closer)

Prêmio Operário: Ator Drama

ATOR DRAMA:

cranstonBryan Cranston em “Breaking Bad”

Ele tinha um roteiro excelente em mãos e com essa base de materiais, ele conseguiu levar seu personagem a um patamar absurdo de qualidade. Indo do vilão ao mocinho em questão de minutos, sem nunca criar uma desculpa piegas para que a gente torça por ele. E sim, ele já é bi-campeão nessa categoria.

Outros Indicados:

Jon Hamm (Mad Men)
Kyle Chandler (Friday Night Lights)
Gabriel Byrne (In Treatment)
Michael C. Hall (Dexter)
James Spader (Boston Legal)

Vencedores Anteriores: 2007 – Kyle Chandler (Friday Night Lighst), 2008 – Bryan Cranston (Breaking Bad)

Prêmio Operário: Atriz Coadjuvante (Drama)

ATRIZ COADJUVANTE (DRAMA):

mossElisabeth Moss em Mad Men

As atuações de Mad Men nunca passam pela tão necessitada exposição de emoções, essas emoções existem, mas de um modo extremamente mais contido. E Moss soube muito bem lidar com sua personagem nesse esquema, na primeira temporada ela entrou como alguém tímida, mas que sua única preocupação era sua carreira, e nessa segunda temporada ela conseguiu evidenciar isso, até no final quase se transformar em um Don Draper de saias. Ela sabe mentir, ela é uma ótima publicitária e a vida pessoal? Bem… vimos como isso se resolveu no episódio final da temporada.

Outras Indicadas:

Christina Hendricks (Mad Men)
Elizabeth Mitchell (Lost)
Adrianne Palick (Friday Night Lights)
Dianne Wiest (In Treatment)
Anna Gunn (Breaking Bad)

Vencedoras Anteriores: 2007 – Sandra Oh (Grey’s Anatomy), 2008 – January Jones (Mad Men)

Prêmio Operário: Ator Coadjuvante (Drama)

ATOR COADJUVANTE (DRAMA):

breaking-bad-205-02Aaron Paul em “Breaking Bad”

Aaron Paul criou o personagem mais simpático da série, e com isso ele conseguiu inverter os valores, visto que da trama principal ele é o único que realmente é um viciado em drogas, porém com o passar dos episódios ele conseguiu humanizar todos os atos de seu personagem e tudo isso sem nunca cair no piegas ou forçar um tipo de humanidade que não existe, porque ao vermos episódios como Peekaboo e ABQ vemos que ela sempre existiu.

Outros Indicados:

Matthew Rhys (Brothers and Sisters)
Josh Holloway (Lost)
Terry O’Quinn (Lost)
Kenny Johnson (Saving Grace)
John Slattery (Mad Men)

Vencedores Anteriores: 2007 – Terry O’Quinn (Lost), 2008 – Blair Underwood (In Treatment)

Prêmio Operário: Roteiro (Drama)

ROTEIRO DRAMA:

peekaboo“Peekaboo” escrito por J. Roberts e Vince Gilligan (Breaking Bad)

É um episódio que trabalha com contrastes e quebra de estereótipos. O seqüestrador é absurdamente mais humano e perdoável, do que os reféns. O seqüestrador é o único que percebe como o uso das drogas guia as pessoas até o “inferno”, arrastando todos a sua volta, principalmente crianças.
Por outro lado, vemos o protagonista destruir uma teia de mentiras, sendo absurdamente antipático e cruel, para no fim, remontar um esquema frágil de desculpas, que de jeito nenhum faz com as pessoas se identifique com isso, porém o roteiro leva essa situação a um patamar mais elevado, quando não se preocupa mais com a ética e o nível de moral, mas sim apenas com os personagens, sendo eles simpáticos (seqüestrador) ou não (protagonista).

Outros Indicados:

Power of Attorney (The Closer)
Underdogs (Friday Night Lights)
A Night to Remember (Mad Men)
Meditations in an Emergency (Mad Men)
I Don’t Wanna Know (True Blood)

Vencedores Anteriores: 2007 – Through the Looking Glass (Lost), 2008 – 5-G (Mad Men)

Prêmio Operário: Atriz Convidada (Drama)

ATRIZ CONVIDADA (DRAMA):

bscap0024CCH POUNDER como Andrea Curtin em “The No 1 Ladies’ Detective Agency”

Quem me conhece sabe como valorizo muito mais uma atuação sutil do que àquelas que apelam para o explícito como modo de expressar as opções. Pois, nada melhor do que alguém que sabe usar os olhos, as expressões do rosto e uma linguagem corporal para demonstrar o que está sentindo. E é isso que CCH Pounder faz em sua participação nessa série, como uma mãe em busca do filho perdido.

Outras Indicadas:

Lizzy Caplan (True Blood)
Lois Smith (True Blood)
Adina Porter (True Blood)
Christina Ricci (Saving Grace)
Melinda McGraw (Mad Men)

Vencedoras Anteriores: 2007 – Kate Burton (Grey’s Anatomy), 2008 – Mare Winningham (Boston Legal).

Prêmio Operário: Edição

EDIÇÃO:

southland

Southland (“Westside” – por Russell Denove)

Por mais óbvio que possa parecer, Denove consegue criar aqui uma das melhores montagens do ano ao misturar uma perseguição policial e uma investigação sobre o mesmo caso, mas o que faz da edição ser tão genial é que esses dois acontecimentos acontecem ao mesmo tempo e não com cortes utilizando uma linha temporal como armadilha para o telespectador, como um truque de roteiro.

Outros Indicados:

True Blood (“Cold Ground”)
Friday Night Lights (“Underdogs”)
Mad Men (“The Mountain King”)
The Office (“Stress Relief”)
Breaking Bad (“ABQ”)

Vencedores Anteriores: 2007 – Lost (“Through the Looking Glass”), 2008 – Lost (“The Constant”).