Arquivos do Blog

Prêmio Operário: Atriz Convidada (Comédia)

Gwyneth Paltrow – Glee

Por pior que seja essa temporada, Glee sabe como escolher seus atores convidados, e dessa vez não foi diferente. Gwyneth Paltrow pegou o pouco que o roteiro tinha para oferecer e tirou o possível para se destacar nesse meio de mediocridade. Amy Ryan por outro lado, tinha um material incrível em mãos e só uma atriz como ela para conseguir dar mais brilho à um roteiro incrível como o do arco final dessa temporada de The Office. Sherri Sheperd teve um dos episódios mais engraçados em 30 Rock, aonde toda a graça do roteiro dependia de sua atuação.

Cynthia Nixon conseguiu o destaque merecido em The Big C, sendo mais dramática que engraçada, mas não sou eu que faço as regras. Parker Posey foi perfeita como o nêmesis de Leslie em Parks & Recreation. E por fim, Gabourey Sidibe já mostrou que tem talento em Precious, porém lá o filme duvidoso dava indícios que a atriz só conseguiria interpretar aquele tipo de personagem, mas em The Big C ela demonstrou que sabe fazer comédia e ainda ser bitch, saindo da concha de coitadinha.

Indicadas:

Gwyneth Paltrow (Glee)
Amy Ryan (The Office)
Sherri Sheperd (30 Rock)
Cynthia Nixon (The Big C)
Parker Posey (Parks & Recreation)
Gabourey Sidibe (The Big C)

Vencedoras anteriores: 2009 – Amy Ryan (The Office); Kristin Chenoweth (Glee).

Anúncios

Prêmio Operário: Roteiro (Comédia)

“Fancy Party” – Parks & Recreation (Escrito por: Katie Dippold)

Garage Sale foi o episódio que realmente levou o arco da saída de Michael Scott ao nível mais emocional possível. Jon Vitti conseguiu balancear da melhor maneira possível as risadas e o choro, principalmente ao envolver um dos momentos mais emocionantes das temporadas passadas: o pedido de casamento entre Jim e Pam. E dessa vez não podia ser diferente, principalmente ao envolver o personagem mais importante da série e a atriz convidada que mais se saiu bem nesses últimos anos.

“Michael: Holly Flax… marrying me will you be?
Holly: Your wife becoming me will.”

A 3ª temporada de Parks & Recreation conseguiu maximizar o nível de seus roteiros, levando histórias por vários episódios, além de conseguir desenvolver relações entre os personagens aos poucos. Em Fancy Party, Katie Dippold transforma uma festa de casamento em uma sucessão de situações hilárias e desenvolvidas especialmente para o futuro da série. Ann solteira, Ben e Leslie, a rotina de disputa entre Chris e Ron, e principalmente o modo como Leslie avalia tudo ao seu redor, aqui comprimido no casamento de April e Andy.

“Donna: Are you Nell? From the movie Nell?”

Critical Film Studies, de Community, talvez seja o auge das referências pops da série. Juntando um dos filmes mais parodiados e cultuados da década de 90, com um desconhecido para moldar um personagem foi uma jogada audaciosa que deu certo. Além do jogo de citações com Cougar Town, um dos maiores acertos da sua série, em uma escala menor.

“Abed: What could I do? Its was Cougar Town.
Jeff: If you want me to take it seriously, stop saying its name”.

Cougar Town cresceu em um nível absurdo. Ninguém esperaria que uma série com esse nome e com a premissa inicial poderia se transformar em uma das melhores comédias da atualidade. Não há truques, nem um absurdo de referências, apenas a interação do elenco sensacional. Porém, Ryan Koh e Sam Laybourne pegaram tudo o que estava acontecendo até aquele momento e resolveram as situações em um único episódio (Lost Chillren), dando brechas para o incrível fim de temporada. Nada melhor do que um jogo de esconde-esconde entre adultos para resolver suas disputas infantis.

“Ellie: I got your boy.
Jules: Give me back my son.
Travis: Mom, I’m scared”.

Apesar de problemas durante o início e meio de temporadas, Jenji Kohan sempre soube fechar seus arcos de temporadas em Weeds, e com Theoretical Love Is Not Dead não foi diferente. A situação mais extrema que Nancy se envolveu, seu último ato como heroína e toxina para sua família. O modo como os minutos pareciam estar contando e tudo acontecendo praticamente em tempo real, deu credibilidade à todo o drama que cercou esse episódio.

“Nancy: How ‘bout a farewell fuck?”.

Raising Hope foi a comédia nova mais bem sucedida dessa temporada. E com isso veio uma repetição de ótimos roteiros, principalmente em Say Cheese onde Greg Garcia usa a ferramenta de contar uma história para um personagem, com base em algum objeto, nesse caso o álbum de fotos, e transforma os flashbacks em personagens e não em muletas narrativas.

“Sabrina: Your house has a lot of cool stuff in it. Who plays the piano?
Jimmy: Pretty much anybody who is trying to get on somebody’s nerves.”

_________________________________________________________

Vencedores Anteriores: 2009 – “Prime Minister” (Flight of the Conchords), 2010 – “Contemporary American Poultry” (Community).

Prêmio Operário: Atriz Convidada (Comédia)

Kristin Chenoweth – Glee

Personagem extremamente histriônica, sem um grande desenvolvimento por parte do roteiro, porém Kristin Chenoweth marcou sua presença nessa temporada nas séries de comédia. Em Glee, ela usou sua voz a seu favor e soube como se infiltrar naquele mundo extremamente bizarro e em nenhum momento ser engolido por ele, mesmo o roteiro a levando para caminhos tortuosos em sua segunda participação.

Outras Indicadas:

Kathleen Turner (Californication)
Shelley Long (Modern Family)
Judith Ivey (Nurse Jackie)
Megan Mullally (Parks and Recreation)
Kathy Bates (The Office)

Vencedoras Anteriores: 2008 – Amy Ryan (The Office), 2009 – Amy Ryan (The Office)

Prêmio Operário: Ator Convidado (Comédia)

Michael Sheen (30 Rock)

Tinha tudo para ser o personagem mais insuportável da temporada, mas química entre Sheen e Fey, além do talento indiscutível do ator, tornaram esse um dos melhores personagens a passar pela série durante seus quatro anos.

Outros Indicados:

Mike O’Malley (Glee)
Fred Armisen (Parks & Recreation)
Scott Foley (Cougar Town)
Will Arnett (Parks & Recreation)
Jason Sudeikis (30 Rock)

Vencedores Anteriores: 2008 – Rhys Coiro (Entourage), 2009 – Brian Sergant (Flight of the Conchords)

Prêmio Operário: Roteiro (Comédia)

Community (“Contemporary American Poultry”) – Escrito por: Emily Cutler & Karey Dornetto

Só por homenagearem Os Bons Companheiros sem cair no piegas, Community já merecia todos os prêmios por esse episódio, mas eles foram além, e recriam o conto do ápice e da queda de modo que funcionasse nesse universo louco e complexo que é essa universidade. Óbvio, sem contar que ainda tem os melhores diálogos do ano:
“Jeff: Oh, and for your information, I don’t even have an ego. My Facebook photo is a landscape!”

Outros Indicados:

Community (Modern Warfare)
Community (The Science Of Illusion)
Parks & Recreation (Telethon)
Parks & Recreation (Ron and Tammy)
The Office (Niagara)

Vencedores Anteriores: 2008 – Dinner Party (The Office), 2009 – Prime Minister (Flight of the Conchords)

Prêmio Operário: Atriz Comédia

ATRIZ COMÉDIA:

parkerMary-Louise Parker em “Weeds”

Foi uma temporada interessante para Weeds, um novo começo, uma tentativa de trazer um fôlego a mais para o que já estava saturado, e por mais que a temporada ainda tenha sido de certa forma irregular, a quarta temporada de Weeds contou com a melhor atuação de Mary-Louise Parker. Desde a tentativa de se misturar com a máfia mexicana, o famoso episódio em que finalmente desaba com a personagem de Elizabeth Perkins, até finalmente nos episódios finais quando percebe como tudo aquilo ao redor dela é venenoso, Mary-Louise soube carregar sua personagem, principalmente quando o roteiro não soube.

Outras Indicadas:

Toni Collette (United States of Tara)
Tina Fey (30 Rock)
JoAnna Garcia (Privileged)
Amy Poehler (Parks and Recreation)
Julia Louis-Dreyfus (The New Adventures of the Old Christine)

Vencedoras Anteriores: 2007 – Mary-Louise Parker (Weeds), 2008 – Julia Louis-Dreyfus (The New Adventures of the Old Christine)